Em junho, vendas no varejo caem 1,6%, diz Cielo -

Em junho, vendas no varejo caem 1,6%, diz Cielo

Após estabilidade em maio, resultado só não foi mais negativo porque segmentos presenteáveis ligados ao Dia dos Namorados registraram alta
Hand with credit card swipe through terminal for sale

O faturamento do Varejo em junho caiu 1,6%, descontada a
inflação, em comparação com o mesmo mês de 2023, de acordo com o Índice Cielo do
Varejo Ampliado (ICVA). Em termos nominais, que espelham a receita de vendas
observadas pelo varejista e embutem a inflação, houve alta de 2,8%.
Os três macrossetores – Bens Duráveis e Semiduráveis, Bens Não Duráveis e Serviços –
registraram queda. No caso de Bens Duráveis e Semiduráveis (-3,0%), o segmento que
mais impactou o resultado foi Vestuário e Artigos Esportivos. No caso de Bens Não
Duráveis (-1,3%), o desempenho de Livrarias e Papelarias foi o que mais pesou para a baixa.
Estética e Cabeleireiros foi o segmento que mais prejudicou o macrossetor de Serviços (-
1,0%).
Houve, porém, crescimento em segmentos vinculados ao Dia dos Namorados,
comemorado no dia 12 de junho, tais como Óticas e Joalherias, Varejo Alimentício
Especializado e Recreação e Lazer. O calendário também suavizou o resultado porque em
2024 não houve feriado de Corpus Christi em junho (diferente de 2023). Com isso o mês
contou com um dia útil a mais que no ano passado.
“Assim como o Dia das Mães representou um alento para o Varejo no mês de maio, em
junho foi a vez do Dia dos Namorados desempenhar esse papel. O resultado dos
chamados segmentos presenteáveis não foi suficiente para estancar a queda do
faturamento em geral, mas a data amenizou resultado que seria ainda mais negativo”,
afirma Carlos Alves, vice-presidente de Tecnologia e Negócios da Cielo.

Em termos nominais, ou seja, que refletem a receita observada pelo varejista, o ecommerce cresceu 6,9% em junho no país. Já as vendas presenciais cresceram 1,8% em
relação ao mesmo mês de 2023.


E-COMMERCE E VENDAS PRESENCIAIS
O Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), prévia do IPCA divulgada pelo IBGE,
registrou alta de 0,39% para o mês de junho. Segundo o instituto, o principal impacto de
alta veio do reajuste de preços dos alimentos.
Ao ponderar o IPCA e o IPCA-15 pelos setores e pesos do ICVA, a inflação do varejo
ampliado acumulada em 12 meses em junho foi de 4,06%.


INFLAÇÃO
De acordo com o ICVA deflacionado e com ajuste de calendário, os resultados de cada
região em relação a junho de 2023 foram: Sul (+0,7%), Sudeste (-0,2%), Norte (-0,6%),
Centro-Oeste (-1,1%) e Nordeste (-1,8%).
Pelo ICVA nominal – que não considera o desconto da inflação – e com ajuste de
calendário, os resultados foram: Sul (+5,2%), Sudeste (+4,4%), Norte (+3,6%), Centro Oeste
(+3,2%) e Nordeste (+3,1%).


REGIÕES
As vendas no 2º trimestre de 2024 caíram 1,2%, já descontada a inflação, em relação ao
mesmo trimestre de 2023.

Em termos nominais, houve crescimento: 2,5%.


VENDAS NO 2º TRIMESTRE DE 2024
Já descontada a inflação, as vendas no 1º semestre de 2024 caíram 0,7% relação ao mesmo
semestre em 2023. Houve retração do Varejo em quatro meses do semestre: janeiro,
março, abril e junho.
Em termos nominais, o faturamento do Varejo subiu 3,0% no semestre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Notícias Relacionadas