IBEVAR-FIA atualiza projeção para vendas no varejo entre fevereiro e abril -

IBEVAR-FIA atualiza projeção para vendas no varejo entre fevereiro e abril

Segundo pesquisa, vendas devem recuar 1,7%.
Hand with credit card swipe through terminal for sale

As vendas no período fevereiro – abril de 2024 no varejo devem recuar 1,7%. É o que revela pesquisa do IBEVAR – FIA Business School. Considerando o conceito varejo ampliado, onde se inclui veículos e material de construção, a queda projetada é substancialmente maior, ou seja, 3,4%, ainda segundo o mesmo estudo. Na última projeção (janeiro-março) esses percentuais de queda eram 0,26% (restrito) e 1,96% (ampliado). 

Dos 11 segmentos monitorados na última avaliação, previsão janeiro-março de 2024, seis apresentavam queda. Agora, para o período fevereiro – abril de 2024 são nove com previsão de redução: tecidos e vestuário (-14,3%), material para escritório (- 6,9%), artigos de uso pessoal (-6,1), livros e papelaria (-6,0%), veículos (- 4,9%), móveis e eletrodomésticos (-4,2%), artigos farmacêuticos (- 1,7%), supermercados (-1,2%) e material de construção (- 0,09%). Para apenas dois segmentos é projetada estabilidade: combustíveis e alimentos. Ou seja, para nenhum dos ramos aponta-se crescimento.

Esse resultado, segundo Claudio Felisoni de Angelo, presidente do IBEVAR e professor da FIA Business School, decorre de uma combinação de fatores. “Embora o Banco Central venha reduzindo a taxa básica, os juros na ponta para o consumidor final caíram muito pouco. As condições de emprego também não favorecem. O saldo do CAGED vem caindo quase que continuamente desde o início de 2023. Além disso, a inadimplência, em que pese as iniciativas do governo, volta a dar sinais de recrudescimento”, explica o professor.


Notícias Relacionadas
Read More

Empresas terão mais tempo para regularizar FGTS de empregados

A regra vale para os empregadores que aderiram à MP e definiu que os parcelamentos de débito do FGTS em curso que tenham parcelas vincendas nos meses de abril, maio, junho e julho de 2021 não impedirão a emissão de certificado de regularidade para com o FGTS. Ou seja, a norma atinge empregadores que aderiram ou não ao Programa de Preservação de Emprego e Renda (BEm)