Venda de motos tem queda mensal, mas ainda segue aquecida -

Venda de motos tem queda mensal, mas ainda segue aquecida

Fenabrave aponta possiblidade de o segmento encerrar o ano acima de 1,6 milhão de unidades, volume que não se registra desde 2013
Fábrica da Yamaha. Linha de montagem de motocicletas Yamaha. Chão de fábrica. Manaus (AM) 26.10.2010 – Foto: José Paulo Lacerda

Os emplacamentos de motocicletas em novembro registraram uma queda de 5,2% em relação a outubro, com 130,4 mil unidades vendidas. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, no entanto, quando as vendas somaram 123,2 mil unidades, a alta foi 5,9%.

Apesar da variação negativa mensal, a Fenabrave avalia como um resultado pontual em meio a um mercado que se mantém aquecido. De acordo com o Andreta Jr., presidente da federação, o desempenho poderia ter se mostrado melhor, não fosse a seca na região Norte do País, que prejudicou a logística de transporte na Zona Franca de Manaus. “Também a restrição ao crédito se mantém no segmento para financiamento de motos até 250 cilindradas.”

O dirigente, no entanto, aposta em um encerramento de ano muito para o segmento, com possibilidade de ultrapassar 1,6 milhão de motos vendidas, barreira que não superada desde 2013, “quando o mercado automotivo como um todo vivia um momento bem diferente do atual.”

Só o fim do ano dirá. Mas no acumulado até novembro, os licenciamentos de motos alcançaram mais de 1,44 milhão de unidades, volume 17,8% superior ao registrado no mesmo período do ano passado, de 1,23 milhão.


Notícias Relacionadas
Read More

Frota de caminhões é a mais sucateada de todas

Do total de caminhões em circulação, expressivos 27% superam os 16 anos de idade e 56% têm entre 6 e 15 anos de uso. Apenas 17% podem ser considerados seminovos, com até 5 anos de rodagem pelas estradas brasileiras. No caso dos automóveis, que tem 38,1 milhões de unidades circulando, esses índices são de, respectivamente, 19%, 57% e 24%.